Anemia por deficiência de cobre – uma causa incomum

Na maioria das vezes imaginamos que uma anemia macrocítica pode ser por deficiência de vitamina B12 ou ácido fólico. Mas além de causar anemia a deficiência de cobre pode causar outras alterações medulares, mimetizando uma mielodisplasia, além é claro de alterações neurológicas.

O Blood Journal trouxe este relato de caso em março de 2018, onde o paciente de 81 anos, com sonda gástrica foi diagnosticado anemia relacionada a deficiência de cobre.

neste caso do British Journal de 2013 o paciente de 73 anos apresentava bicitopenia e era gastrectomizado.

O diagnóstico é feito com a dosagem do cobre sérico, da ceruloplasmina sérica e os níveis de cobre na urina de 24 horas.

Neste artigo é apresentado o tratamento da anemia por deficiência de cobre com reposição oral ou intravenosa de cobre na forma de gluconato de cobre, sulfato de cobre ou cloreto de cobre. Como na deficiência de B12 as manifestações hematológicas são totalmente reversíveis com suplementação de cobre durante um período de 4 a 12 semanas, e as manifestações neurológicas são apenas parcialmente reversíveis com a suplementação de cobre.

Aqui temos os fatores de risco para deficiência de cobre: alimentação por sonda a longo prazo, a nutrição parenteral total a longo prazo, a ressecção intestinal e a ingestão de zinco são fatores de risco de deficiência de cobre conhecidos; no entanto, o abuso de álcool não é. E o artigo traz o relato de um homem de 71 anos como o primeiro relato mostrando abuso de álcool como um fator de risco para deficiência de cobre, que foi tratado com chocolate.

E aqui trouxe as fontes alimentares desse nutriente:

  • 1. Fígado de carne 100 gramas : 4,49 mg (641%)
  • 2. Shitake 1 xícara cozida: 1,29 mg (184%)
  • 3. Cajus 100 gramas: 0,62 mg (88%)
  • 4. Grão-de-bico 1 xícara cozida: .58 mg (82%)
  • 5. Couve (2 xícaras picadas, em bruto) .48 mg (68%)
  • 6. Cacau em pó 2 colheres não açucaradas: .41 mg (58%)
  • 7. Sementes de gergelim 2 colheres : .36 mg (51%)
  • 8. Quinoa 1 xícara cozida: .36 mg (50%)
  • 9. Amêndoas 100 grama: .29 mg (41%)
  • 10. Lentilhas 1 xícara cozida: .27 mg (39%)
  • 11. Chia 100 gramas secas: .26 mg (37%)
  • 12. Queijo de cabra 100 gramas: .16 mg (23%)
  • 13. Abacate 1/2 fruta: .12 mg (17%)
  • 14. Passas 100 gramas: 0,9 mg (13%)

Autor: Fernanda Santos

Médica hematologista, formada pela Faculdade de Medicina da USP em 1999, Residência em Clinica Médica de 2000 a 2002, Residência em Hematologia e Hemoterapia de 2002 a 2004.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s