Linfoma de Hodgkin predominância linfocitária nodular (NLPHL)

Hoje eu trouxe esse artigo, sobre uma doença rara:

O tratamento ideal de pacientes com linfoma de Hodgkin predominância linfocitária nodular (NLPHL) recidivado ou refratário é mal definido. Para lançar mais luz sobre as opções de tratamento e resultados, realizamos uma análise usando o banco de dados do Grupo de Estudo Alemão Hodgkin (GHSG).

Noventa e nove pacientes que receberam tratamento de primeira linha dentro de 12 estudos prospectivos com GHSG realizados entre 1993 e 2009, e subsequentemente desenvolveram recidiva da doença (n = 91) ou tiveram progressão primária da doença (n = 8), foram incluídos. No diagnóstico inicial de NLPHL, a mediana de idade foi de 40 anos e 76% dos pacientes eram do sexo masculino.

O tratamento de primeira linha consistiu apenas de radioterapia (RT) (20%), quimioterapia com ou sem RT (74%) e anticorpo anti-CD20 (Ab) rituximab (6%), respectivamente. A mediana de acompanhamento do diagnóstico inicial foi de 11,2 anos. O tempo médio para recorrência da doença foi de 3,7 anos.

As abordagens de resgate aplicadas incluíram tratamento com agente único anti-CD20  ou RT isolado (37%), quimioterapia convencional (CT) com ou sem tratamento anti-CD20  com ou sem RT (27%) e quimioterapia de alta dose (HDCT) seguido de transplante autólogo de células-tronco (ASCT) (31%).

Nenhum tratamento de resgate foi dado em 4% dos pacientes. A sobrevida livre de progressão de 5 anos e as estimativas de sobrevida global após recorrência de NLPHL foram 75,6% e 89,5% (74,1% e 97,2% após tratamento com agente único anti-CD20 ou RT isoladamente; 68,0% e 77,8% após TC com ou sem tratamento anti-CD20  com ou sem RT, 84,6% e 89,8% após HDCT e ASCT).

Assim, pacientes com NLPHL recidivante ou refratária tiveram um bom prognóstico geral. Fatores como o tempo até a recorrência da doença e o tratamento anterior podem orientar a escolha da abordagem de resgate ideal para o paciente individual.

Impressão: apesar da raridade da patologia a mesma tem um curso mais indolente e com uma boa taxa de resposta

Autor: Fernanda Santos

Médica hematologista, formada pela Faculdade de Medicina da USP em 1999, Residência em Clinica Médica de 2000 a 2002, Residência em Hematologia e Hemoterapia de 2002 a 2004.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s