Trombose Venosa cerebral  

O sistema venoso cerebral é um local não usual de trombose, e temos visto crescer a incidência de trombose venosa cerebral (TVC) em adultos jovens.  

Esta incidência aumentou nas últimas décadas em parte por causa da melhora dos exames diagnósticos.  

O prognóstico é favorável em na maioria dos casos, se o diagnóstico é feito rapidamente e o tratamento é prontamente iniciado.  

A base do tratamento é a anticoagulação. Sangramento intracraniano não contra-indica anticoagulação.  

Procedimentos endovasculares são reservados para pacientes com uma apresentação grave com o rápido declínio dos sintomas neurológicos, apesar anticoagulação adequada.  

Vou comentar este artigo onde ele lista aos principais fatores de risco, manejo diagnostico e terapêutico.   

Uma das coisas que sempre escuto é “porque tive a trombose?”

– as vezes encontramos alguma causa as vezes não, na tabela abaixo tem as principais causas de trombose  venosa cerebral : 

Fatores de risco permanentes  Fatores de risco transitórios 
Trombofilia Hereditaria  

  • FV leiden  
  • Protrombina mutante  
  • Deficiência de antitrombina III 
  • Deficiência de Proteina C 
  • Deficiência de Proteina S 
Relacionados ao sexo  

  • Uso de anticoncepional  
  • Gravidez 
  • Puerpério 
  • Doenças sistemicas 
  • Síndrome do anticorpo antifosfolipede 
  • Lupus 
  • Behçet 
  • Vasculite  
  • Doença inflamatória intestinal  
  • Sindrome nefrotica  
Infecções 

  • Sinusite 
  • Mastoidite 
  • Otite 
  • Meningite 
  • Absccesso  
  • Osteomielite 
Neoplasias 

  •  Estágios avancados de neoplasias 

 

Neoplasias 

  • Primaria de SNC  
  • Outras neoplasias  
Doenças hematologicas 

  • Hemoglobinuria Paroxistica noturna (HPN)  
  • Anemia falciforme  
  • Beta talassemia 
  • Neoplasia mieloproliferativa 
Mecanico  

  • Trauma  
  • Neurocirurgia 
  • Punção lombar  
  • Cateter jugular  
  Maternas (para os neonatos) 

  • Trauma obstetrico / infeção / eclampsia e pre eclampsia  
  Outras 

  • L asparaginase 
  • Desidratação  
  • Anemia 
  • Obesidade 

 

Feito o diagnostico a próxima pergunta é qual o melhor tratamento? Novos anticoagulantes orais podem ser utilizados? Temos diversos trabalhos que buscam essa resposta algumns com data final de 2020. Assim foi da transição da heparina não fracionada para a heparina de baixo peso molecular, e no final os trabalhos mostraram menor taxa de complicação no segundo. Hoje é a terapia padrão para os casos agudos de TVC .  

Hoje a terapia crônica é com antagonistas de vitamina K (varfarina) com INR entre 2-3 por 3-6 meses nos casos secundários e 6-12 meses nos casos sem etiologia. Nos casos de trombofilias e neoplasias a recomendação da anticoagulação segue a regra destas patologias, bem como nas gestantes só pode ser utilizado heparina de baixo peso molecular pela teratogenicidade da varfarina. A suspensão da anticoagulação precoce é mais segura se houver recanalização, caso haja persistência o ideal é manter até 12 meses. Nos casos que houve recanalização não há necessidade de novos exames de imagem.  

Publicado por Fernanda Santos

Médica hematologista, formada pela Faculdade de Medicina da USP em 1999, Residência em Clinica Médica de 2000 a 2002, Residência em Hematologia e Hemoterapia de 2002 a 2004.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: